Make your own free website on Tripod.com
Artigos
Tabernáculo: Um Lembrete da Majestade de Deus

HOME

Estamos de baixo da Graça ou da Lei?
Tabernáculo: Um Lembrete da Majestade de Deus
D-us e o judaísmo-messiânico
Os judeus Messianicos
Yeshua e seus discípulos viveram como judeus

Tabernáculo: Um Lembrete da Majestade de Deus
Marcus Vinícius de Lacerda Ferreira

As festas sagradas de Israel eram celebradas com o duplo propósito de refletir sobre a bondade de Deus e de recordar que os israelitas eram o povo escolhido por Deus - Infelizmente muitos ainda não se deram conta que os israelitas são o povo escolhido. Todas elas tem um paralelo no Novo Testamento. A festa dos Tabernáculos no entanto permanece escondida em simbolismo e mistério.

O fato de que muitos cristãos têm desenvolvido um interesse na celebração de Sukkot, (todo ano vão em caravanas para Israel) pode significar o início do cumprimento da profecia de Zc 14:16: "Então todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém, subirão de ano em ano para adorar o Rei, o Senhor dos Exércitos, e celebrar a festa dos tabérnaculos." Devemos lembrar o texto em Rm 15:4 que diz: "Pois tudo que outrora foi escrito, para o nosso ensino foi escrito... De modo que nesta festa, assim como nas outras, encontramos ensinamentos maravilhosos da parte de nosso Deus. Vamos falar em especial da Sukkot (Cabanas, ou tendas) Tabernáculos.

O que é Sukkot?

Encontramos a descrição bíblica desse festival principalmente em Lv 23:34-43 e Dt 16:13:13-15 e Nu 29:12-40. Vou transcrever Lv 23:34-43 para facilitar o estudo:

    1. "E falou o SENHOR a Moisés, dizendo:
    2. Fala aos filhos de Israel dizendo: Aos quinze dias desse mês sétimo será a Festa dos Tabernáculos ao SENHOR, por sete dias.
    3. Ao primeiro dia, haverá santa convocação; nenhuma obra servil fareis.
    4. Sete dias oferecereis ofertas queimadas ao SENHOR; ao oitavo, tereis santa convocação e oferecereis ofertas queimadas ao SENHOR; dia solene é, e nenhuma obra servil fareis.
    5. Estas são as solenidades do SENHOR, que apregoareis para santas convocações, para oferecer ao SENHOR oferta queimada, holocausto e oferta de manjares, sacrifício e libações, cada qual em seu dia próprio;
    6. Além dos sábados do SENHOR, além dos vossos dons, e além de todos os vossos votos, e além de todas vossas ofertas voluntárias que dareis ao SENHOR.
    7. Porém, aos quinze dias do mês sétimo, quando tiverdes recolhido a novidade da terra, celebrareis a festa do SENHOR, por sete dias; ao dia primeiro; haverá descanso, e, ao dia oitavo haverá descanso.
    8. E, ao primeiro dia, tomareis para vós ramos de formosas árvores, ramos de palmas, ramos de árvores espessas e salgueiros de ribeira; e vos alegrareis perante o SENHOR, vosso Deus, por sete dias.
    9. E celebrareis esta festa ao SENHOR, por sete dias cada ano; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações; no mês sétimo, a celebrareis.
    10. Sete dias habitareis debaixo de tendas; todos os naturais em Israel habitarão em tendas;
    11. Para que saibam as vossas gerações que eu fiz habitar os filhos de Israel em tendas, quando os tirei da terra do Egito. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.

As festas (incluindo o Shabbat) são sobretudo um TEMPO DE PRAZER e JUBILO. São tempos quando dificuldades são deixadas para trás. Por isso é proibido fazer qualquer tipo de serviço ou esforço. (Vide 23:35).

Hoje em dia, os israelitas constróem em suas casas ou apartamentos (nas varandas) a Sukkot e realmente vivem neles por uma semana a cada ano, assim eles podem recordar e ensinar aos seus filhos sobre a presença de Deus e Sua fidelidade como protetor e provedor.

Os homens providenciam o lulav tradicional e o citron para levar à sinagoga e acenar alegremente perante o SENHOR, como está ordenado no versiculo 40 (leia).

O que é o lulav? É o nome dado ao molho folhas ou ramos que lemos no versiculo 40. Já o citron é uma fruta de uma árvore cítrica (limão por exemplo, ou laranja) . O levar da fruta faz parte da tradição (passada de pai p/ filho) dos judeus. O lulav é composto de três tipos de ramos: Palmas/Myrtle/e salgueiros de Ribeira. A tradição judaica nos fornece uma compreensão prática maravilhosa de uma vida verdadeiramente espiritual baseada no lulay e no citrom.

Espiritualmente, não devemos ser como a PALMA que só produz fruto (atos) mas não tem fragrância (benção espiritual/amor e etc..). São aquelas pessoas que vivem suas vidas pela letra da lei mas não tem nenhum compromisso em administrar isso, para eles mesmos ou outros.

Também não devemos ser como o MYRTLE, que têm muita fragrância (bênção espiritual/amor etc...) mas não produz fruto (atos/ação). São pessoas que dizem coisas doces, espirituais, mas suas vidas não produzem qualquer fruto duradouro real.

Muito menos devemos ser como os SALGUEIROS DE RIBEIRA uma espécie de álamo (são àrvores pequenas encontrados perto dos riachos da palestina, usadas por Jacó, quando enganou a Labão no caso do rebanho (Gn 30:37) ). Não produzem fragrância. Os SALGUEIROS DE RIBEIRA, falam de pessoas que como eles são sopradas por todo e qualquer vento de doutrina (ensinamentos) e nunca sabe onde estão espiritualmente. Portanto também não produzem frutos.

Devemos ser sim como o CIRTRON, para produzirmos frutos e fragrância. Esses são os crentes verdadeiros (sem mudanças) de Deus que vivem uma vida pesada (calçada/firmada) em sabedoria diante de Deus e dos homens.

Se você tiver oportunidade de visitar Jerusalém na época da Festa irá ver todas espécies de SUKKOT ou BARRACAS. O SUKKOT é uma estrutura temporária. Ela possui quatro paredes com uma abertura em um dos lados. O teto é soltamente coberto com ramos de frutos de árvores. Tomando atenção poderemos ver entre os galhos uma estrela. A Cabana é também decorada (geralmente e as crianças que fazem) com frutas amarradas por fios no teto, simbolizando todos os frutos da terra (Lev 23:39) e o festival de colheita e provisão de Deus. As crianças também gostam de fazer gravuras descrevendo estórias da Bíblia.

As refeições são comidas na Cabana, sempre acompanhada de Cantos de Adoração. As famílias mais observadoras da festa gostam de gastar o tempo de lazer e sono por lá, discutindo e meditando nas lições que esta frágil cabana falam. As crianças aprendem com o áudio e o vídeo (se é que podemos dizer assim), facilitando sobre maneira o aprendizado.

Como cristãos, celebramos a redenção de Deus em nossas vidas. Saímos da escravidão do pecado para uma vida de liberdade no Reino de Deus. Isto merece CELEBRAÇÃO.

Ir a Israel na Festa Tabernáculo é muito mais que uma troca histórica ou cultural. É uma experiência bíblica que pode nos ensinar novas visões sobre o SENHOR .

Algumas lições do Sukkah

Lição 1- Somos todos peregrinos na terra. Desde os dias de Abraão, nós temos sido estranhos e peregrinos na terra. Deus parece desejar que continuemos nesse caminho, prova disso é o comando de Deus tornando estatuto perpétuo a semana dentro da cabana. Com certeza este comando serve para entre outras coisas lembrar a falta de conforto e a providência de Deus nesta situação. As pessoas que cresceram com uma vida comportável terão a oportunidade de aprender um pouco sobre as providencias de Deus.

Como peregrinos devemos aprender a segurar todas as coisas soltamente. Esta é uma lição muito dificil de ensinar (principalmente para as crianças). Vivemos na era do materialismo, onde o homem vale pelo que tem e não pelo que é. É a velha briga do SER e do TER. Para Deus o importante é SER. Ter é conseqüência do SER. Somos constantemente atraídos pela tirania das "COISAS." Coisas nos controlam e nos manipulam (se não vigiarmos). Elas tornam-se deuses, ou ídolos, acima de nós.

Nós cristãos também devemos aprender que esta vida é temporária. Nós, também estamos em peregrinação para uma Terra Prometida e eterna. Necessitamos procurar o reino de Deus, não o conforto terrestre. Quando procuramos primeiro o Reino de Deus, nossas necessidades materiais são fornecidas pelo SENHOR (Luc 12:31).

Finalmente, peregrinar é um grande exemplo de igualdade. Quando os Israelitas viajavam pelo deserto todos dormiam em tendas (pobres e ricos, da mesma forma). O livro de Deuteronômio fala de TODAS as pessoas indo para as suas TENDAS. O livro de Juizes menciona TENDAS e CASAS. Passado o tempo nos livros de Reis, o autor fala de TENDAS/CASAS/ e PALÁCIOS.

Durante o TABERNÁCULOS, todos os homens são iguais perante Deus e aos outros. Cada um senta na sua frágil cabana e é considerado por Deus não pelo que possui, mas pelo que é. Esta é uma grande lição para os dias de hoje. Aleluia!

Para ilustrar: Quando estamos viajando em uma excursão, ficamos todos vulneráveis às mesmas circunstâncias, o que acontece com um reflete por todo o grupo. Criamos sem perceber um elo de amizade e companheirismo muito rapidamente. As coisas fogem do nosso controle, passamos a ser comandados e precisamos obedecer a estes comandos. Todos viajam somente levando o necessário para suas necessidades básicas. Não estamos mais em nossos papéis usuais na sociedade que podem intimidar os outros. Viajamos, quem sabe, ao lado de um poderoso juiz e o tratamos de você ou Sr., na melhor das hipóteses, mas nunca de V.Ex.a. Quando viajamos com um grupo derrubamos obstáculos. Estamos, como se diz, "no mesmo barco", se ele afundar, morremos todos.

Durante a festa dos Tabernáculos, na condição de peregrino ou viajante em sua frágil cabana, o judeu tem a oportunidade anual de refletir como está seu relacionamento com Deus e com a família.

Lição 2- Fé requer Flexibilidade. Devemos ser capazes de nos mover quando Deus move. A fragilidade ou sensibilidade da estrutura de uma TENDA diante do vento do Espírito nos fala de como devemos ser: CAPAZES DE NOS MOVER SOB O COMANDO DO SOPRO DO ESPÍRITO SANTO (OBEDECER).

Se repararmos no livro de Atos veremos que a luta do conceito de TENDAS e CASAS/PALÁCIOS, é antigo. Vejamos Atos 7:46-47- "que achou graça diante de Deus (falando sobre Davi) e pediu que pudesse achar TABERNÁCULO para o Deus de Jacó. E Salomão lhe edificou casa;". Certamente, a casa é mais durável, confortável, atrativa para a habitação humana. Mas na casa perdemos a flexibilidade para seguir a nuvem, nós perdemos a sensibilidade ao vento e perdemos também a intimidade, o contato com o criador. Não preciso lembrar que estamos falando no sentido figurado. Não é para ninguém se mudar para a barraca de acampamento, certo??!

A Bíblia nos fala que espera um tempo de Fé mais simples e mais pura. O profeta Amós diz assim: (9:11) "Naquele dia, tornarei a levantar a tenda de Davi, que caiu, e taparei as suas aberturas, e tornarei a levantar as suas ruínas, e a edificarei como nos dias da antigüidade"

Lição 3- Aprendemos sobre a brevidade de nossas vidas. Sentados dentro da cabana podemos sentir o vento batendo nas folhas e algumas, com certeza, vão cair sobre nós. No inicio da semana elas são frescas e verdes, mas logo elas estarão secas e morrendo. Lembramos Isaías 64:6 "....todos nós caímos como uma folha, e os nossos pecados como um vento nos arrebatam."

Com o conceito de "CASA" nos sentimos mais seguros, auto-suficientes e imortais, perdendo de vista nossa condição de peregrinos. O Tabernáculo também nos fala da fragilidade de nossa carne, de como Deus nos provê (Jehovah-Jireh) e como devemos ser agradecidos.

Os escritores do Novo Testamento freqüentemente se referem aos nossos corpos como um TABERNÁCULO. Paulo lembra em IICo5:1: "Sabemos que, se a nossa casa terrestre deste tabernáculo se desfizer, temos da parte de Deus um edifício, uma casa não feita por mãos, eterna, nos céus." Como tabernáculos, somos frágeis e débeis, e logo começamos a murchar (literalmente). A vida é curta por demais se compararmos com a eternidade. Nossa esperança está não no que o mundo oferece, mas no que Deus tem fornecido para nós, a fim de que o sirvamos agora e na eternidade.

Jesus (Yeshua) disse: (João 14:2-3) "Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estou estejais vos também". O nosso lugar permanente - "A CASA" - está na eternidade.

O Sacrifício

Tabernáculo também fala de Sacrifício. Em Nu 29:12-20 temos detalhadamente como deveriam ser feitos. Se os Israelitas fossem trazer ofertas queimadas, ofertas de grão, sacrifício de bebidas e comidas a CADA DIA da semana da festa seria um desperdício de tempo e também muito dispendioso. Imagine se nós tivéssemos que preencher esses requerimentos diários? Nós poderíamos fazer isso? Poderíamos encontrar uma forma de realizar esses sacrifícios caros ou poderíamos encontrar uma desculpa para não faze-lo. Se isso é muito difícil, porque então Deus os requer??

O motivo que está por trás das ofertas era o de PURIFICAR do pecado - de modo que o adorador podia entrar na companhia de Deus. Os requerimentos eram rígidos. O princípio básico mais uma vez é OBEDIÊNCIA. Deus quer que lembremos hoje que é melhor OBEDECER do que SACRIFICAR.

O tabernáculo sem obediência é o tabernáculo sem a presença de Deus
Sem obediência a Fé é sem valor. Igualmente para nós os Cristãos, sem fé e prática, o sacrifício do cordeiro de Deus na Cruz fica sem valor. Se nossa fé não dá fruto através do trabalho de fé, então esta fé não é verdadeira, e está morta. O Sacrifício nos fala em dar e não em receber.

Temos ouvido muitas mensagens, principalmente via TV, que podemos TER do Senhor - e não que deveríamos DAR ao Senhor. Certamente que somos abençoados pelo Senhor quando somos fiéis para DAR. Tabernáculo portanto também nos fala da Soberania e Majestade de Deus. Isto nos lembra da necessidade de honrarmos a Ele com nossas vidas e devolvermos ao Deus das Provisões o que Ele tem nos dado. O dízimo é um requerimento de Deus (Mal 3:10) que até mesmo pré-data a lei (Gn 14:20;28:20).

Aos Cristãos, Rm 12:1 diz que Deus requer de nós muito mais que tudo isso. "Portanto, rogo-vos, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional." Mas o que nós temos para Dar a Deus?

    • Deus nos deu nossas vidas. Transformamos essa vida em SERVIÇO e retornamos para Ele. (Jesus disse que veio para SERVIR, lembra?)
    • Deus nos sustenta com renda, comida, vestuário, e abrigo - que nos podemos devolver como SERVIÇO.
    • Deus nos dá talentos que podemos pôr ante o trono de Deus como SERVIÇO para Ele.

Necessitamos produzir FRUTO ESPIRITUAL e FRAGRÂNCIA
Esses tesouros é que são guardados lá em cima no paraíso onde a traça e a ferrugem não destroem (Mt 6:19) Tesouros para o paraíso são postos para cima, assim como tesouros para terra são postos para baixo.

A Festa das Cabanas é muito mais do que estar sentado sobre frutas decorativas da criação de Deus. É considerar que nós somos Sua criação. Nós devemos juntar Frutos Espirituais, pessoais de fé e Serviço que sejam recebidos lá em cima no Paraíso.

Em 1961 o Presidente dos Estados Unidos J.F.Kennedy disse durante um discurso: "Pergunte não o que seu país pode servir você, mas o que você pode servir ao seu país". Hoje nós podemos perguntar a nós mesmos: "O que posso SERVIR a Deus?".

A mensagem de Sukkot (Festa dos Tabernáculos) é COMPROMISSO total ao Senhor e Seu serviço.

Marcus Vinícius de Lacerda Ferreira
é colaborador do eucreio.com

Venha estudar conosco!!!