Make your own free website on Tripod.com
Artigos
D-us e o judaísmo-messiânico

HOME

Estamos de baixo da Graça ou da Lei?
Tabernáculo: Um Lembrete da Majestade de Deus
D-us e o judaísmo-messiânico
Os judeus Messianicos
Yeshua e seus discípulos viveram como judeus

Vamos, então, à mesma (a explicação é um tanto delongada, em função de ser uma "novidade"para você e requerer um extenso comentário para sua compreensão:

O principal credo para o nosso povo é: "Shemá Yisrael, Adonai Elohêinu Adonai Echád ("ch" em hebraico transliterado faz som de "rr" como em carro e não "x" como em "chamado". OK!) - "Ouve Israel O SENHOR é nosso D-us, o SENHOR é Um! (Devarím [Palavras - nome hebraico de Deuteronômo] 6.4.

Pois bem! não só neste texto, mas também em tanto outros, vemos que se menciona a existência de "UM SÓ D-US" - Isaías 45.21 (por exemplo): "Porventura, não sou Eu, o SENHOR? E não há outro D-us além de mim; D-us Justo e Salvador não há fora de mim".

Portanto, existe um só D-us. Inclusive, vemos a mesma definição na Nova Aliança (o chamado "Novo Testamento" não é "Aliança Renovada") vamos aos exemplos: o próprio Messias declarou o "Shemá" dizendo que o SENHOR é UM e sobre isto o "sofêr" (escriba) respondeu: Rabí e com verdade disseste que há um só D-us e não há outro fora dEle, "Kí Elohím Echád Hú Veêin Od milevadó". (Marcos 12.29-32); "Todavia, para nós há um só D-us, o Pai ach Êl echád HaAv, de quem é tudo e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Yeshua, O Messias - VeAdón echád Yeshua HaMashíach, pelo qual são todas as coisas, nós por Ele" (1 Coríntios 8.6); "Há um só corpo, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação, Um só Senhor (Yeshua) - Adôn echád, uma só fé, Um só D-us e Pai - Êl veAv echád; Porque há um só D-us, e um só Mediador entre D-us e os homens, o Filho do Homem, Yeshua, o Messias, homem - Kí echád hú HaElohím Veechád huHaOmêd bêin Elohím Uvêin b'nêi adám hu Vén adam HaMashíach Yeshua (1 Timóteo 2.5); "Tu crês que também há um só D-us, fazes bem..." Atá maamín kí HaElohím echád hu hetivôta..." (Yaacov - Tiago 2.19).

Mas como explicar isto à luz de Todas Escrituras: Você deve ter visto que aparece a palavra "echád".

Esta palavra significa "UM", como também uma "Unidade Composta" diferente de "iachíd" que significa unidade absoluta. Esta palavra echád aparece em Gênesis 2.24 "basár echád" (uma só carne) e aparece no texto hebraico da Brít Chadashá (Nova Aliança) em João 10.30, quando o Messias Yeshua declarou: "Eu e o meu Pai somos echád UM"! Como vimos o termo "echád" se refere à "duas pessoas unidas" conforme as passagens logo acima mencionadas.

Yeshua

Entretanto, como fica Yeshua nesse contexto? A divindade do Messias é mencionada enfaticamente no livro do profeta Isaías e no Talmúd. No Talmúd a primeira designação que os nossos sábios deram ao Mashíach (Messias) foi "Êl Guibôr" (D-us Forte) e não tiveram dificuldade em aceitar a divindade do Messias, diferente de hoje. Yeshua é D-us com o Pai, ou seja, a Sua divindade é no Pai não sendo independente do Pai. Portanto, vemos a comprovação da divindade de Mashíach tanto na Antiga Aliança (o chamado "Antigo Testamento") e nos escritos rabínicos. Se você prestar bem atenção no emprego do termo "echád", você perceberá que há uma "parceria submissa" (o homem depende e independe da mulher), ou seja, uma das partes depende e independe ao mesmo tempo da outra. Nesse contexto, quanto a Yeshua, vemos sua dependência e independência para com o Pai nos seguintes textos: "Na verdade, na verdade, digo-vos que o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se o não vir fazer o Pai (dependência); porque tudo o que o Pai faz o Filho faz igualmente (independência). Porque o Pai ama o Filho e lhe mostra tudo o que faz; e Ele lhe mostrará maiores obras do que estas para que vos maravilheis. Porque, assim como o Pai ressuscita os mortos e os vivifica, assim também o Filho vivifica aqueles que quer. E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo". E um texto que fala do Messias dependente do Pai (que pode até causar choque) é João 14.18: "Ouvistes o que Eu vos disse: Vou e venho para vós. Se amásseis, certamente exultaríeis por haver dito: Vou para o Pai; porque o Pai é maior do que Eu. Ouve-se que "ah! Mas Ele falou isto quando estava como homem aqui na terra. Contudo, o texto implica que Yeshua, mesmo o Pai sendo maior do que Ele, voltaria ao seio dEle.

Um texto que apresenta escatologicamente Yeshua como

dependente e independente do Pai a "parceria submissa" é 1 Coríntios 15.24: "Depois virá o fim, quando houver entregado o Reino a D-us, ao Pai (dependência), e quando houver aniquilado todo o império e toda a potestade e força. Porque convém que reine (independência) até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés. Porque todas as coisas (o Messias) sujeitou debaixo de seus pés. Mas, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, claro está que se excetua Aquele que sujeitou todas as coisas. E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então também o mesmo Filho se sujeitará Àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que D-us seja tudo em

todos.Veja! o Messias não sujeitou para si mesmo "todas as coisas" por sua própria vontade, mas foi o Pai que fez com que todas as coisas fossem sujeitas ao Messias e, por fim, o mesmo Messias se sujeitará ao Pai (que sujeitou todas as coisas a Yeshua) quando o Reino for entregue pelo Filho ao Pai para que o Eterno D-us seja tudo em todos. Indubitavelmente, esta passagem trata do "Olám Habá" (Mundo Vindouro), mas mesmo no "Olám Habá" Yeshua dependerá e independerá do Pai. Vale ressaltar, que a dependência e a independência destes textos de Shaúl (Paulo) aguardam cumprimento profético por ocasião da chegada do "Olám Habá" (Mundo Futuro) não significando portanto, que Yeshua não dependa e independa do Pai hoje (a temática aqui é outra).Tendemos a limitar a "parceria submissa" de Yeshua para com o Pai ao tempo em que Ele viveu aqui na terra, sem levar em conta o tempo antes da Sua 1ª vinda, bem como depois da sua "aliá" (subida) aos céus. Só a 1ª vinda de Mashíach, por exemplo, insere-se claramente nesse contexto.

Yeshua mesmo disse em João 10.30: "Eu e meu Pai somos 'um' ". A palavra hebraica que aparece no texto hebraico da Brít Chadashá é "echád" (que significa "unidade composta") e não "iachíd" que significa

"unidade absoluta" conforme se falou anteriormente. O que expús acima, está de conformidade com o que Rav Shaúl (Paulo) expressou em Colossences 1.19 e 2.9 "que foi do agrado do Pai que toda a plenitude da divindade do próprio Pai habitasse corporalmente em Yeshua". Portanto, o Pai compartilha da Sua própria divindade - que é plena (uma vez que não foi "parte" dela com o Seu Filho -

Mashíach Yeshua. Yeshua não obteve divindade "fora do Pai", mas no Pai, sendo portanto "divino no Pai", e não como pessoa que tenha divindade sem o Pai, visto que a divindade de ou que tem Yeshua é a

divindade do próprio Pai nEle. Outra comprovação da divindade do nosso Messias, está em Isaías 9.6 e 10.22. Em 9.6, estão títulos messiânicos que tão bem conhecemos, um deles é "El Guibôr" (D-us Forte), que também aparece em Isaías 10.22. Como também em Isaías 7.14, "Imanuel" ("imánu" em hebraico sig. "conosco" mais "El" D-us, fica "D-us conosco".). Yeshua pelo fato de ser chamado de "ImanuEl" (D-us conosco) significa que Ele veio para terra para representar o Pai enviado na autoridade e vontade dEle.

Reconheço ser lamentável judeus messiânicos não reconhecerem a divindade do Messias à exemplo dos "ebionitas" no 1º século. Até mesmo o "senhorio" Yeshua recebeu do Pai, ou seja, conforme Shimón Kêifa (Simão Cefas) "Saiba pois, com certeza toda a Casa de Israel, que a esse Yeshua, D-us (o Pai), o fez Senhor e Messias" (Atos 2.36). Portanto, Yeshua foi feito Senhor e Mashíach pelo Pai (não foi de si mesmo ou pela sua própria vontade independente). É interessante, que

quanto ao Shabát (Sábado), Yeshua disse: "Porque o Filho do homem também é Senhor do Shabát" conforme Mateus 12.8, etc.(há versão que traz: "até do Sábado é Senhor" - ficando um tanto diferente da tradução fiel feita acima). O Pai inclusive concedeu ao Filho até mesmo "autoridade ou poder" para perdoar pecados conforme Marcos 2.5,10: "...Filho (paralítico de Cafarnaúm), perdoados estão os teus pecados. Ora, para que saibais que o Filho tem na terra poder para perdoar pacados...". Aqui, entra Efésios 4.32 que diz: "...perdoando-vos uns aos outros, como também D-us vos perdoou no Messias". Por ocasião da morte do Messias no madeiro conforme Shaúl (Paulo) "...D-us, que nos reconciliou consigo mesmo por meio do Messias e nos deu o ministério da reconciliação. Isto é, que D-us estava no Messias reconciliando consigo o mundo...". (2 Coríntios 5.18,19).

Rúach HaKôdesh (Espírito Santo)

Muitos entendem o Espírito Santo como uma pessoa distinta do Pai e do Filho. A expressão D-us-Pai, D-us-Filho e D-us-Espírito Santo, apareceu no Concílio de Nicéia no ano de 325d.C. que estava sendo liderado pelo imperador Constantino. Provavelmente, foi Tertuliano que criou o termo "trindade" conquanto o mesmo não se encontre em uma linha sequer das Escrituras.

Constatamos ao longo das Escrituras da Antiga Aliança (o chamado "Antigo Testamento"), que o Espírito é de D-us, o Pai (Gênesis 1.2;Isaías 40.13, etc.). Isto também está claro na Brít Chadashá (Nova Aliança) em 1 Coríntios 3.16: "Não sabeis que sois Templo de D-us, e que o Espírito de D-us habita em vós?" e Romanos 8.11: "E se o Espírito dAquele (do Pai) que dos mortos ressuscitou a Yeshua habita em vós, Aquele (o Pai) que dos mortos ressuscitou o Messias também vivificará os vossos corpos mortais pelo Seu Espirito que em vós habita" . Ora, o Espírito é do próprio Pai, logo, é a pessoa do Pai que habita em mim pelo Seu Espirito, não sendo portanto, uma outra pessoa distinta do Pai (uma terceira pessoa distinta do Pai e do Messias Yeshua - o Filho). Noutras palavras, chamo-me

Ariel, porventura o meu espírito (espírito de Ariel) é uma pessoa distinta de mim ou sou eu mesmo?

Portanto, o Espírito é o próprio Pai (e não uma outra pessoa). Conforme Shaúl em 2 Coríntios: "Ora, o SENHOR é o Espírito, e onde está o Espírito do SENHOR, aí há liberdade", sendo claro que o Espírito Santo não é o Messias (o fato de ser chamado "Espírito de Yeshua, o Messias" ou "Espírito do Messias" em algumas passagens (Flipenses 1.19; 1 Pedro 1.11) é por haver sido enviado para dar continuidade ao ministério exercido pelo Messias Yeshua; foi enviado em Nome de Yeshua pelo Pai. O Pai concedeu o Seu Espírito ao Messias para que este exercesse o Seu ministério - "...Pois não lhe dá

D-us o Espírito por medida" - João 3.34.). É o mesmo caso da divindade de Yeshua, não é de Yeshua propriamente, mas do Pai que quis por Sua vontade que a plenitude da Sua Divindade habitasse em Seu Filho. OK!

Os judeus messiânicos que seguem esta concepção, creêm no Espírito Santo, mas não como uma terceira pessoa distinta do Pai, mas sim, como sendo o Pai habitando por Ele na vida do salvo em Yeshua, o Messias. Em suma: o Pai compartilha a Sua Pessoa com o homem pelo Seu Espírito Santo.

Quanto a Gênesis 1.26, especificamente a expressão "façamos o homem" - refere-se ao Pai (o Criador) e a Yeshua que por ser a "Palavra" executou os comandos do Pai, participando dos atos da criação de D-us, conforme João 1.1-3. dentro da "parceria submissa" de Yeshua para com o Pai. OK!

Fonte: Ministério Ensinando de Sião Brasil - Belo Horizonte - MG

Venha estudar conosco!!!